segunda-feira, 11 de dezembro de 2017


CARNIDE CAMPUS BASKETBALL
NATAL 2017 - PROFESSOR MÁRIO SILVA

"É com grande satisfação que anunciamos que o Professor Mário Silva estará no nosso Campus de Natal.
Depois da sua participação no nosso campus de verão, o Professor, um dos mais experientes treinadores do basquetebol português, aceitou de pronto o nosso convite para abordar um tema que tanto tem dado que falar durante esta temporada, o "apoio zero".

Estará connosco na manhã de dia 20, e será com certeza uma experiência rica para todos os participantes.
 — com Mario J. F. Silva."


domingo, 3 de dezembro de 2017

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

segunda-feira, 13 de novembro de 2017


Gala FPB 90 anos


O grande Capitão do S.L.Benfica , Zé Alberto . Tive a felicidade de jogar com o meu idolo da juventude.



quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Texto de Mario J. F. Silva
Em exclusivo para os seguidores da página facebook Luis Osório .

*
A liberdade de expressão e o direito de opinião são características dos regimes democráticos  e deveriam fazer parte do nosso dia a dia. Escrever nas entrelinhas já faz parte do passado e instrumentalizar a comunicação não leva certamente ao progresso.
O basquetebol não foge á realidade e a informação vinculada individual ou coletivamente pouco contribui para o desejado progresso técnico . 
A comunicação social nunca deu grande acolhimento á modalidade e quando o dá é pouco informativa e formativa . A internet é hoje o principal meio de comunicação, com a estrutura federativa e alguns sites próximos a terem papel dominante .
Não se estranha pois que seja  raro lermos uma opinião abalizada e uma critica fundamentada  que proponha um caminho a seguir. Mesmo as reportagens das competições são pouco enriquecedoras e os comentário e a critica  sobre as atividades  têm na maior parte dos casos visões pouco coerentes e mal  fundamentadas . 
É sabido que o progresso é mais eficaz quando conseguimos integrar a diversidade de opiniões e sabemos  respeitar eventuais oposições. 
O famoso psiquiatra Augusto Cury reforça a ideia : “ Os piores inimigos de uma teoria , não são os seus críticos , mas os seus discípulos radicais, ou seja, os que aderem rigidamente e são incapazes de a criticar”. 
A maioria das opiniões na modalidade reflete apenas e só as ligações pessoais e institucionais e não procura uma comunicação mais efectiva com os factos concretos .
Quem escreve sobre o basquetebol  deveria  ter uma perspetiva global  dos problemas de forma a estar em condições de dar contributos para o seu desenvolvimento. O critico desportivo, os agentes da modalidade e as várias estruturas deveriam assumir as suas responsabilidades sem escrever nas entrelinhas ou adulterar a realidade.
Tomemos como exemplo duas opiniões recentes :
A primeira de Ticha Penincheiro ( ex-Jogadora WNBA): “Penso que o basquetebol português está no bom caminho . Os resultados dos últimos anos são indicação disso mesmo” ,  .
Já o Jornal A Bola escrevia na mesma altura: “A seleção nacional acaba por ser a mais castigada pela falta de talento ao nível da formação e numa década passou da 1ª Divisão da Europa  para a 3ª divisão . Não é possível bater mais no fundo“.
Quem tem coragem e capacidade para  justificar as opções que conduziram o basquetebol à situação atual ? 

Mário Silva